Mineirão

Referência em sustentabilidade, Mineirão recebe Arena MRV para apresentar plano de resíduos sólidos

4 de maio de 2022

Resíduos sólidos do Mineirão são recolhidos em parceria com a Asmare – Foto: Agência i7/Mineirão – 26.04.2015

Principal arena multiuso do Estado, o Mineirão é referência em boas práticas sustentáveis e está sempre à disposição para compartilhar sua expertise no trato com o meio ambiente. Na última semana, o Gigante da Pampulha recebeu gestores da Arena MRV, o futuro estádio do Atlético, que conheceram os planos de gerenciamento de resíduos sólidos especiais (PGRSE) e de serviços de saúde (PGRSS).

Os visitantes foram acompanhados pela coordenadora de meio ambiente do Mineirão, Barbara Freitas, que os apresentou os processos de operação, que vão do recolhimento do lixo nos abrigos dos corredores ao manejo dos resíduos nas docas do estádio . A visita aconteceu na quarta-feira (27), dia seguinte ao duelo entre Cruzeiro e Londrina, pela Série B do Campeonato Brasileiro.

“Existem poucos estádios com um licenciamento ambiental tão complexo como o Mineirão. Por isso, somos referência em sustentabilidade. Essa troca de experiência com a Arena MRV é importante para que eles entendam, na prática, como funciona a operação de um estádio desse porte”, ressalta Barbara Freitas.

O reaproveitamento de resíduos em dias de jogos e eventos é realizado em parceria com a Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Materiais Reaproveitáveis de Belo Horizonte (Asmare). Os resíduos recicláveis (papel, plástico, metal e vidro) são doados para a Asmare e, os não recicláveis, encaminhados para o licenciado aterro sanitário. Os resíduos da poda do gramado são destinados para uma empresa de compostagem.

O Gigante faz ainda uma destinação específica dos resíduos eletroeletrônicos, pilhas, baterias, óleo de cozinha e resíduos perigosos para empresas licenciadas.

O Mineirão produz entre 3 toneladas e 4 toneladas de resíduos, metade deles comuns, como restos de comida e descartes de banheiro, e metade recicláveis. Só no ano passado, com os 18 jogos com público após a pandemia, foram produzidas 35 toneladas de lixo, o equivalente ao peso de nove elefantes asiáticos.

Além do manejo de resíduos sólidos, o Mineirão também é referência no reaproveitamento da água da chuva e de geração de energia limpa e renovável, por meio da usina solar fotovoltaica instalada na cobertura do estádio.

O Mineirão foi o primeiro estádio do país a receber o selo Platinum do Leadership in Energy and Environmental Design (Leed), órgão responsável pela certificação que é utilizada em 143 países para incentivar a transformação dos projetos, obra e operação das edificações, sempre com foco na sustentabilidade de suas atuações.

O Gigante também possui o Selo BH Sustentável, concedido pela Prefeitura de Belo Horizonte. Essas certificações reafirmam o compromisso com a responsabilidade socioambiental da arena.

Compartilhar